É difícil se encontrar

“I have climbed the highest mountains
I have run through the fields
But I still haven’t found what I’m looking for”

Imagem

 

 

Por mais que a gente caminhe, não é fácil encontrar o que se busca. Mais difícil ainda é saber o que buscar.

Passei dez dias viajando para tentar ter um tempo para mim mesma, para me conhecer e me entender melhor. Descobri o que quis e o que não quis. Senti saudades, aproveitei o vinho, a chuva e o sol. Ri, dancei, chorei, tive medo. Conheci pessoas e lugares incríveis, algumas/alguns por poucos minutos. Mas me conheci ainda mais. E isso foi o mais incrível.

Ficar sozinho pode ser uma verdadeira montanha-russa, por dentro e por fora, especialmente quando se arrisca a estar longe do que se conhece. É estar sozinho física e emocionalmente, é não ter nada familiar ao seu redor. E é nessa hora que os caminhos abrem para o que a gente mais precisa encontar. Ou pelo menos te mostram onde é preciso começar a cavar.

Ítalo Calvino, em seu livro “As Cidades Invisíveis”, diz que “de uma cidade, não aproveitamos as suas sete ou setenta e sete maravilhas, mas a resposta que dá às nossas perguntas.” Eu voltei com respostas, sim, mas com ainda mais questões.

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s