Arquivo da tag: 25 anos

O que esperar dos 25?

Quando eu tinha 6 anos, achava que minha mãe devia ter uns 10 anos, de tão mais velha que era.
Naquela época, 25 anos era impensável.
Daí você vira adolescente num piscar de olhos, e é só isso que importa: o que você vai fazer quando completar 18 anos? e você esquece de lembrar do que passou e de imaginar o que virá.
25 anos estava muito longe.
Mas quando você completa 21 a coisa pega: você é realmente maior de idade e tem todos os seus planos correndo feito loucos atrás de você, atropelando quem fica parado.
Aí os 25 começam a preocupar, e você pensa que está fazendo o suficiente até o momento.
Mas é quando os 25 chegam, realmente, que você para e pensa que já deveria ter:
Sua casa
Seu carro
Inglês e espanhol fluentes
Um(a) namorado(a) pra pensar em casar Um(a) noivo(a)
Uma faculdade completa e um emprego na sua área que tê traga satisfação
Uma poupança gorda e um salário ótimo
E, na verdade você tem diversos cursos começados e poucos acabados
Uma pilha de livros sem ler
Uma caixinha de frustrações
O dinheiro pra carregar o bilhete único
E o que fazer com tudo isso? E com tudo o que você queria ter feito?
Fica a sensação de que o mundo pede mais do que é possível alcançar.
Mas eu já fui longe, e penso em tudo o que já descobri e já experimentei. E até que a coisa não está tão ruim assim..

Meus vinte e cinco anos

Cheguei aos meus vinte e cinco com uma grande mala e duas cachorras no carro. O carro que eu ainda não acabei de pagar, mas é meu. E após errar o caminho uma dezena de vezes.

Passei por lombadas, furei pneus, fiz contornos proibidos e andei na contramão. Mas com as janelas sempre abertas e a música tocando alto.

Cheguei cansada, mas esperando mais, e pronta pra mais.
O cabelo comprido, com reflexos dos anos anteriores.
Os piercings e tatuagens feitos em momentos de desafio, coragem ou diversão.
As cicatrizes das aventuras, das idiotices, ou de tristezas passadas.
Com o sabor de tudo e de todos que amo.

Cheguei sem saber direito o que eu quero, mas com a certeza do que eu não quero.

Cheguei aos meus vinte e cinco, sem saber se esse é o começo, o meio ou o fim do caminho, mas com a certeza de que a viagem vai ser foda.