Arquivo da tag: viagens

É difícil se encontrar

“I have climbed the highest mountains
I have run through the fields
But I still haven’t found what I’m looking for”

Imagem

 

 

Por mais que a gente caminhe, não é fácil encontrar o que se busca. Mais difícil ainda é saber o que buscar.

Passei dez dias viajando para tentar ter um tempo para mim mesma, para me conhecer e me entender melhor. Descobri o que quis e o que não quis. Senti saudades, aproveitei o vinho, a chuva e o sol. Ri, dancei, chorei, tive medo. Conheci pessoas e lugares incríveis, algumas/alguns por poucos minutos. Mas me conheci ainda mais. E isso foi o mais incrível.

Ficar sozinho pode ser uma verdadeira montanha-russa, por dentro e por fora, especialmente quando se arrisca a estar longe do que se conhece. É estar sozinho física e emocionalmente, é não ter nada familiar ao seu redor. E é nessa hora que os caminhos abrem para o que a gente mais precisa encontar. Ou pelo menos te mostram onde é preciso começar a cavar.

Ítalo Calvino, em seu livro “As Cidades Invisíveis”, diz que “de uma cidade, não aproveitamos as suas sete ou setenta e sete maravilhas, mas a resposta que dá às nossas perguntas.” Eu voltei com respostas, sim, mas com ainda mais questões.

 

 

 

 

Anúncios

Meus vinte e cinco anos

Cheguei aos meus vinte e cinco com uma grande mala e duas cachorras no carro. O carro que eu ainda não acabei de pagar, mas é meu. E após errar o caminho uma dezena de vezes.

Passei por lombadas, furei pneus, fiz contornos proibidos e andei na contramão. Mas com as janelas sempre abertas e a música tocando alto.

Cheguei cansada, mas esperando mais, e pronta pra mais.
O cabelo comprido, com reflexos dos anos anteriores.
Os piercings e tatuagens feitos em momentos de desafio, coragem ou diversão.
As cicatrizes das aventuras, das idiotices, ou de tristezas passadas.
Com o sabor de tudo e de todos que amo.

Cheguei sem saber direito o que eu quero, mas com a certeza do que eu não quero.

Cheguei aos meus vinte e cinco, sem saber se esse é o começo, o meio ou o fim do caminho, mas com a certeza de que a viagem vai ser foda.